Situação atual da trilha

Situação atual da trilha

Atualmente a Trilha Transcarioca possui cerca de 80 km manejados e sinalizados por meio de sinalização rústica, que utiliza tabuletas de madeira indicando nominalmente o próximo destino, intermediadas por pinturas em árvores e rochas de um logotipo cuja representação é uma pegada de bota com a figura do Cristo Redentor carregando uma mochila desenhada em sua sola (figura 3). Essa logomarca, também usada na folheteria e demais materiais atinentes à Trilha, foi desenvolvida pelo INEA para o Mosaico Carioca e é aplicada ao longo do traçado, segundo um Manual de Sinalização, desenvolvido pelo Mosaico.

A metodologia utilizada na sinalização segue o padrão em vigor em caminhos de longo curso europeus, norte-americanos, argentinos e sul-africanos entre outros. No Brasil a sinalização rústica, tal como adotada na Trilha Transcarioca, tem sido testada com êxito no Parque Nacional da Tijuca desde 1999 (após o início de sua utilização o número de pessoas perdidas no PNT caiu em média de 100 por ano para menos de 5 ao ano).

A página do Facebook da Trilha Transcarioca (https://www.facebook.com/TrilhaTranscarioca) possui cerca de 1.100 seguidores. Já foram publicadas diversas matérias em meios de divulgação impressos, como jornais de grande circulação, revistas de circulação nacional, revistas de bairro e veículos oficiais. A trilha também já foi tema de reportagens na TV aberta e possui mais de 5.000 citações em websites, com dois filmes no YouTube.

4

Recentemente, a trilha foi apresentada em dois encontros científicos: o IX Fórum de Planejamento Turístico da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), e o III Congresso de Natureza, Turismo e Sustentabilidade, no qual recebeu menção honrosa.

Sua implantação continuará sendo feita em etapas seguindo cronograma e padrão uniformizados decididos em comum acordo por todas as partes envolvidas, no contexto do Mosaico Carioca. Nesse sentido, acordou-se que a Trilha terá três estágios básicos de implementação:

  1. poda, sinalização direcional e obras de arte absolutamente imprescindíveis.
  2. sinalização interpretativa e educativa, mapas, website completo, inventário de serviços associados (acomodação, alimentação, guiagem, transportes etc) e obras de arte principais (pontes, drenos, escadas, corrimãos etc).
  3. demais obras de arte (abrigos, banheiros, bancos, mirantes etc) e implementação de uma malha de trilhas secundária devidamente manejada (trilhas de acesso, rotas de fuga, caminhos opcionais a atrativos que não estão no roteiro principal como picos, cachoeiras e atrativos histórico-culturais).

De acordo com o cronograma acordado o primeiro estágio da Trilha deverá estar completo para os seguintes eventos:

  • Copa das Confederações (2013): Floresta da Tijuca ao Parque Lage, passando pelo Corcovado.
  • Copa do Mundo (2014): Parque Nacional da Tijuca até o Pão de Açúcar e trechos do Parque Estadual da Pedra Branca, Parque Natural Municipal da Catacumba e APA dos Morros do Leme, Babilônia e S. João
  • Jogos Olímpicos (2016): Toda a Trilha.