As Unidades de Conservação da Trilha

A Trilha Transcarioca integra seis unidades de conservação de proteção integral: o Parque Natural Municipal de Grumari, o Parque Estadual da Pedra Branca, o Parque Nacional da Tijuca, o Parque Natural Municipal da Catacumba, o Parque Natural Municipal da Paisagem Carioca e o Monumento Natural Municipal dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca, permitindo ainda o acesso a áreas protegidas como o Sítio Burle Max, Parque Natural Municipal da Cidade e o Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Em um segundo momento, a trilha deverá também abranger a Restinga da Marambaia e o Morro Cara de Cão.

Seu traçado inicial foi elaborado por um grupo de trabalho constituído pelos gestores das unidades de conservação e técnicos do ICMBio, INEA e SMAC, bem como por voluntários conhecedores da malha de caminhos das unidades abrangidas, com base no percurso descrito por CUNHA e MENEZES (2000). O planejamento iniciou-se pelo diagnóstico dos atrativos e trilhas existentes nas unidades de conservação e seu entorno imediato, com base nas cartas topográficas do Instituto Pereira Passos de planejamento urbano (IPP, 1999) e nos bancos de dados das unidades. O traçado foi então proposto de maneira a permitir a passagem pelos principais atrativos ecoturísticos da cidade, aproveitando as trilhas preexistentes.

A fim de ampliar a discussão para outros setores da sociedade, em maio de 2013, o Mosaico Carioca organizou o evento “Trilha Transcarioca: Seminário Internacional de Trilhas de Longo Curso”, que apresentou um panorama geral sobre as trilhas de longo curso no Brasil e no mundo, reunindo cerca de duzentos convidados. Conferencistas, pesquisadores, montanhistas e gestores de unidades de conservação participaram de oficinas técnicas para debater temas como segurança, comunicação, sinalização, manejo, divulgação, geração de emprego e renda, assim como o traçado da Trilha em seus diferentes trechos. Os resultados das discussões foram sumarizados pelos coordenadores de cada oficina na forma de relatórios com recomendações.

A divulgação da trilha vem sendo feita por meio de redes sociais e em diversos veículos de mídia impressa, televisão, rádio e websites. Na ocasião do seminário internacional, também foi produzido material de divulgação como folhetos, mapas, camisetas e banners informativos.

2 3